Curando as feridas no NSCCHS com o Minitab

 
 

Atendendo uma população de mais de 1 milhão de pessoas no norte de Sidney, o Northern Sydney Central Coast Health Service (NSCCHS) compreende a importância de atendimento de saúde de qualidade. Estima-se que cerca de 270 mil australianos sofram no momento de uma ferida crônica, que leva mais de três meses para ser curada ou que não apresenta previsão de cura. Manter uma alta qualidade de vida para esses pacientes durante o tratamento é meta primária do NSCCHS. O atendimento das feridas é uma atividade de alto volume das 11 principais instalações do NSCCHS e autoridades de saúde sabem que o tratamento das feridas com frequência envolve altos custos e altos riscos. Se uma instituição prestar um atendimento insuficiente, haverá mais probabilidade de gerar infecções nos pacientes, atrasar a cura, impedir a dor e reduzir a qualidade de vida.

Usando o Minitab Statistical Software, o Northern Sydney Central Coast Health Service realizou a análise de dados necessária para avaliar o tratamento de feridas em suas instalações. Acima está uma visão aérea do hospital Royal North Shore com o porto de Sidney ao fundo.

Variações significativas entre serviços de atendimento às feridas foram percebidas em vários locais, e a Coordenadora de Atendimento às Feridas do NSCCHS, Melissa O'Brien, foi nomeada para chefiar os subcomitês de atendimento aos feridos das diversas áreas. O'Brien e os comitês se reuniram para criar, implementar e avaliar diretrizes para todas as importantes categorias de feridas. A equipe confiou no Minitab Statistical Software para realizar a análise de dados necessária para avaliar se pacientes do sistema recebiam tratamento seguro, apropriado e eficaz para as feridas.

O esforço é apenas um entre os vários projetos de aprimoramento de qualidade do NSCCHS e seu premiado Programa abrangente de Métodos e Pensamento Estatístico, conhecido como “STaMP.” O acréscimo de uma licença empresarial do Minitab permitiu ao NSCCHS se tornar "cada vez mais capaz de transformar dados em conhecimento e agir sobre eles para aprimorar resultados empresariais e clínicos", afirma Helen Ganley, analista do sistema de qualidade.

Os gráficos do Minitab ajudaram o NSCCHS a avaliar os planos de tratamento, mostrando à equipe se ela atingiu as metas definidas nos vários estágios do projeto de aprimoramento de qualidade.

Para o esforço de padronização do atendimento às feridas, comitês locais de atendimento às feridas revisaram e aplicaram novas estratégias em todos os locais do NSCCHS. Quando os novos planos de tratamento foram implementados, O'Brien usou os gráficos de controle do Minitab para analisar as intervenções no tratamento das feridas e garantir que os processos de todos os locais fossem consistentes com os padrões de atendimento. Um gráfico de controle identifica os dados sequencialmente, facilitando ver como um processo varia com o tempo, e se essa variação é anormal ou não. É normal haver variações pequenas no processo, mas às vezes isso ocorre devido a um fator que não é parte do processo normal e pode ser corrigido, A identificação de causas diferentes de variação permite fazer ajustes em um processo sem supercontrolá-lo.

O'Brien usou o Minitab para criar gráficos de controle e monitorar os novos tratamentos, e gostou da facilidade de uso do software e a simplicidade de monitoramento e avaliação do processo com o tempo. "O Minitab é simples de usar e ensinar", ela diz.

Os gráficos de controle permitiram à equipe de aprimoramento comparar a proporção de pacientes que receberam atendimento "perfeito" antes e depois da implementação de novos procedimentos, assim como pacientes cujas feridas foram curadas dentro do intervalo de tempo de dez dias, que era a meta. O NSCCHS também usou o Minitab para avaliar o desempenho do projeto em curto prazo para a equipe que começava a praticar as novas diretrizes de tratamento das feridas. A análise revelou que a proporção de intervenções nas úlceras de pernas implementada era de 26% antes do projeto de aprimoramento de qualidade. Depois do projeto, esse número passou para 84%.

O NSCCHS usou o Minitab para avaliar o desempenho do projeto em curto prazo para a equipe que começava a praticar as novas diretrizes de tratamento de úlcera nas pernas. Esse gráfico de controle histórico exibiu as intervenções implementadas em março de 2006 comparadas às implementadas em março de 2007.

Adaptado do artigo "Best Practices Wound care", publicado recentemente pelo Internacional Wound Journal, em abril de 2011.

Ao usar esse site, você concorda com a utilização de cookies para análises e conteúdo personalizado. Leia nossa política

OK